Aulas, Greves e Hipocrisia - Universo Atakima

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Aulas, Greves e Hipocrisia


Quem acompanha meu twitter ou minhas postagens no facebook, vira e mexe olha que eu me zango com algo e uso as ferramentas para “desabafar”.

Dessa vez, essas coisas não podem ser mais diferentes, que vou usar esse meu blog para, novamente, contar as coisas, depois de tanto tempo parado, não é verdade?

Estou agora prometendo vim uma vez na semana postar para vocês aqui no blog, se é que existe ainda alguém que vem  olhar se tem coisa nova por aqui!

Para quem não sabe, eu moro nas terras feudais de Sarney, o senhorzinho manda chuva do Maranhão. Temos um sistema de transporte publico que como o resto do país, está sucateado. Para quem acompanha noticias nos jornais ou sites de noticias, sabe que São Luis encontrasse numa greve, que começou com a suspensão de mais da metade da frota e atualmente 100% da frota está nas garagens, ao invés de circular com seu dever de levar as pessoas para todo o canto e serem assaltadas nesse canto (falo isso, porque é justamente a realidade ludovicense, você sai de casa, não tem segurança. É assaltada no ônibus, no local de trabalho, na rua, na parada e quando chega na porta de sua casa, é assaltada também).

Acontece que, sem transporte publico, a maioria da população que depende exclusivamente dele, não pode ir fazer as coisas rotineiras, do tipo ir a universidade.

E para quem se pergunta, ah, não tem ônibus, mas tem metrô, VLT, trem?! Na verdade não tem, São Luis é terra feudal, e como toda a idade média, essas tecnologias não existem como transporte aqui. Aqui nem trem a carvão tem como substituto do ônibus, nós sofremos mesmo.

Como citado anteriormente, estamos sem ônibus e com isso a grande parte da população que depende disso não pode sair de casa. No meu caso, eu até tenho como ir a universidade, mas a minha turma não tem. Estava fazendo as contas: Minha turma é composta de 30 pessoas, dessas, só 5 podem ir para universidade de outros meios (carro, moto, carona), o resto depende do difamado Campus 311 e outros ônibus sentido bairro/centro para sair de suas casas e voltar.

E com isso, surgiu a polemica quando um coordenador do curso colocou em suas palavras que todos os alunos deveriam “dar um jeito” para chegar na universidade e ter suas aulas, pois as mesmas estão correndo normalmente, e professores estão “penalizando” os alunos faltosos com faltas. E que (pasmem!) tem professores aplicando normalmente provas. Acho que é lógico comentar que grande parcela dos alunos também dependem do ônibus (ainda não conseguimos ter vassouras ou grifos para voar até a universidade).

Mas a tolerância pela situação parece não está ocorrendo e que temos babacas nos dois lados da moeda, isso temos. E porque eu digo babacas?! Pois, partir de um acadêmico uma ignorância pelo fato de “dar um jeito”, seria sugerir ir andando, pegar taxi e outros meios de condução, quando a maioria dos alunos não tem dinheiro para tal investimento é realmente incabível na situação. Mas o pressuposto de alunos que estão apenas comemorando o fato de haver essas “férias” não programadas, de combinarem entre si de ninguém comparecer na universidade, porque partiu da filosofia de “sem alunos, sem aulas”  e não ter pelo menos o bom senso de avisar o professor e correr atrás de algo para diminuir o prejuízo, também não fazemos.

Isso não dá o direito de um coordenador ter agido e falado como ele falou, mas também já não dá o direito dos alunos reclamarem da situação que ele falou, afinal, quem foi os que comunicaram aos professores e pediu negociações e remarcações de aula?

A situação é que todos empurram com a barriga ou esperam que o outro faça algo para remediar a situação. Não estou sendo hipócrita, eu mesmo estou no grupo dos errados na situação. Esperei de bom grado que a líder da turma ou outra pessoa se manifestasse e entrasse em contato com nossos professores, ou que os professores adivinhassem o que passa nas nossas cabeças e entrasse em contato conosco. Algo que, pelo que leram no texto, não aconteceu.

Agora tem gente que, depois de toda a merda ter sido jogada no ventilador, que pagar de moralista e dizer que só tem um lado errado da história, tira do sério, não é verdade?!
Realmente tem gente que só enxerga seu próprio umbigo e parte para hipocrisia de que nunca está errada e a pessoa do outro lado, é o errado da situação.


Enfim, a situação ainda vai longe e se tiver novidades que valha a pena, conto a vocês. Depois de todas as discussões, enfim, vamos entrar em contato com os professores para negociar. Mas toda nossa atitude de agora em diante parece ter sido tomada só porque ele reclamou. O que realmente fica uma fama ruim para nós, que passamos por “não interessados”. 


banner
Anterior
Proxima

Assino meus textos como Miaka J. S. Freitas. 

Decolando no curso de Desing pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA. Nas horas vagas procura por Um Sofá fofinho para cuidar dos blogs "Universo Atakima e "Um Sofá à Lareira". Além do canal "Insônia Nerd", aonde perde o sonho com as melhores obras desse universo. 
Estou tentando encontrar o meu próprio espaço para ouvirem minhas ideias e pensamentos meio que "insano" as vezes...
E por ai pela internet afora ainda pode encontrar outros lugares por onde anda meus textos!!

Um comentário:

  1. Também estou indignada com esta greve.

    Entendo o lado dos rodoviário, afinal, lutar por melhores condições trabalhistas é um direito de todos, até mesmo dos atores e autores da globo (!)

    No entanto, aquele famoso ditado popular se aplica perfeitamente a esta situação: "O seu direito termina onde começa o meu". Assim como eles têm o direito a lutar por melhorias, temos o direito de ir e vir.

    Estão falando em aumentar a passagem, agora, eu pergunto: que direito eles têm? Cara, eu vivo pendurada nestes ônibus, a ponto de chamar o dia que consigo um assento de milagroso; essas sucatas que insistimos em chamar de transporte vive dado "prego" e os motoristas estão cada vez mais loucos!

    Acabei desabafando aqui, mas é que eu fico indignada com este tipos de falta de noção. Aliás, cadê o VLT? rsrsrsrs

    ResponderExcluir


Quer comentar e não tem conta?!
1- escolha a opção Nome/URL
2 - No espaço Nome coloque seu nome ou seu apelido
3 - No espaço URL coloque o link do seu site, blog, vlog, tumblr... (não é obrigatório).

Sejam sempre bem vindos a deixarem comentários, criticas e sugestões. Eles são muito importante para meu caminho como escritora. Com eles poderei saber o se o caminho que estou trilhando esta certo ou se precisa de mudanças. Obrigada por visitar e comentar.

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.