Casamento Gay: Errado ou preconceito? - Universo Atakima

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Casamento Gay: Errado ou preconceito?



Vendo o noticiário na televisão, escuto noticias que o casamento gay foi aprovado na França e pessoas estavam protestando contra. Isso me levou a uma pequena discussão com meu pai. Discussão entre aspas, pois foi mais um monólogo. Eis meu posicionamento sobre isso. Aprovo totalmente a união entre pessoas do mesmo sexo.

Até onde toda essa manifestação contra homossexuais e seus direitos como cidadão vai? Defendo sim a união entre pessoas do mesmo sexo. Não sou lésbica nem bissexual. Sou hetero, mas não falo isso com o orgulho que um macho falaria. Eu falaria abertamente também se fosse homo, mesmo podendo sofrer com preconceito. Sou hetero e defendo. Não é problema.

Defendo, pois parto do principio que todos são iguais, independente da raça, origem, religião, classe social ou opção sexual. Cada um tem suas escolhas e seu modo de pensar, agir etc. Ninguém é igual a ninguém. Isso não obriga a todos gostarem das mesmas coisas.

Não é porque temos uma cultura patriarcal que impediu as mulheres a lutarem e conquistarem seu espaço e direitos na sociedade. Não é porque somos doutrinados a uma religião x ou y, de cultura heterossexual que não vamos dar o direto de união a homossexuais.

O Estado é laico. Defendo  então a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Eles têm o mesmo direito que qualquer outro. Direito de casar, de construir família... Então, também defendo eles poderem adotar crianças. Lembram que nossos pais são heteros, mas você pode ter escolhido gostar de alguém do mesmo sexo. Foi por influência do papai e da mamãe? Para você ter se tornado homossexual você teve que ver a mamãe agarrando uma mulher ou o papai com um homem e assim você quis repetir o mesmo achando que era certo? Acho que não.

Lembra-se que os homossexuais foram filhos de pais heteros e nem por isso se tornaram heteros. E com certeza nenhum pai os influenciou a escolha hetero/ homo. Do mesmo jeito que alguns casais homossexuais já adotaram crianças.

Recordo-me, como se fosse ontem, de uma matéria que as pesquisadoras passaram mais de 10 anos acompanhando de perto casais de homossexuais que adotaram crianças. Acompanharam educação, seu ingresso a uma escola. Notaram que crianças criadas por duas mamães ou dois papais tinham uma desenvoltura e sociabilidade maior com outras crianças da mesma faixa etária. Sofriam preconceito? Sim, sofriam. Mas sofreriam o mesmo preconceito se eles fossem negros ou índios. E todos eles, quando responderam uma pesquisa de satisfação dizeram ter orgulho dos pais que tinham. E lembrando, eles eram filhos adotivos de pais homossexuais.

O que existe hoje é preconceito de mentes limitadas. Limitadas de conhecimento e dogmas religiosos. Limitadas para não aceitar o que é diferente. Limitadas e ignorantes. Porque não é preconceito só com gays, mas também com tudo que foge do que eles dogmatizaram como “normal”.

Agora, reflita e me responda uma única pergunta.

O que é ser “normal”?


banner
Anterior
Proxima

Assino meus textos como Miaka J. S. Freitas. 

Decolando no curso de Desing pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA. Nas horas vagas procura por Um Sofá fofinho para cuidar dos blogs "Universo Atakima e "Um Sofá à Lareira". Além do canal "Insônia Nerd", aonde perde o sonho com as melhores obras desse universo. 
Estou tentando encontrar o meu próprio espaço para ouvirem minhas ideias e pensamentos meio que "insano" as vezes...
E por ai pela internet afora ainda pode encontrar outros lugares por onde anda meus textos!!

0 recadinhos:


Quer comentar e não tem conta?!
1- escolha a opção Nome/URL
2 - No espaço Nome coloque seu nome ou seu apelido
3 - No espaço URL coloque o link do seu site, blog, vlog, tumblr... (não é obrigatório).

Sejam sempre bem vindos a deixarem comentários, criticas e sugestões. Eles são muito importante para meu caminho como escritora. Com eles poderei saber o se o caminho que estou trilhando esta certo ou se precisa de mudanças. Obrigada por visitar e comentar.

Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Brasil.